Plataforma de Trabalho Aéreo (PTA) precisa de treinamento?

02/03/2021

O trabalho aéreo não é prerrogativa de aeronautas – na construção civil e na montagem industrial ele também é bastante comum. Os operários de canteiros de obras que inicialmente trabalhavam sobre andaimes passaram a se utilizar daquilo que chamamos “Plataforma de Trabalho Aéreo” (PTA), conforme a complexidade e a proporção do serviço a ser prestado na construção civil.
Mas não são só os construtores de prédios e estruturas arquitetônicas a se utilizaram das PTA´s. Elas também se prestam a auxiliar o trabalho em altitude de colaboradores dos setores elétrico, de instalações industriais, siderurgia, da indústria têxtil, automotiva e aeronáutica. Se o trabalho industrial é desenvolvido muito acima do nível do solo, é considerado trabalho em altura e, então, é praticamente obrigatório o uso da PTA. Ela também é bastante comum em refinarias de petróleo, instalações esportivas e parques temáticos.
Estas plataformas são mecanizadas e mais seguras que os antigos andaimes, aos quais substituíram paulatinamente. Sua regulamentação é toda ela embasada nas normas regulamentadoras  NR 18, NR 12, NR 11 NR 06, NR 17 e NR 35. Sua utilização ideal e otimizada se dá em ambientes de espaço reduzido, conquanto de altura considerável, em que exista o que se chama de “mobilidade restrita” para movimentação horizontal. Por isso ocorrem com maior frequência em instalações industriais e reformas de prédios.
Se são mecanizadas, é claro que é necessária capacitação profissional tanto para operá-la como para trabalhar na PTA. Afinal, estas plataformas são pesadas, trabalham em grandes alturas, são caras, e a tarefa nela realizada envolve considerável risco para a integridade física do trabalhador.
Mesmo com a capacitação, há acidentes de trabalho em profusão nas PTA´s, geralmente causadas por falha humana geradora de queda de altura ou do equipamento, eletrocussão ou queda de objetos da plataforma.
Para evitar a estes sinistros, há o curso de capacitação de Plataforma de Trabalho  Aéreo – PTA, que prepara o profissional para o desempenho de suas atribuições em equipamento móvel aeropropelido. O curso é regulamentado desde 2007 e instrui seus alunos a conhecer e dominar o funcionamento dos componentes de segurança da plataforma, os critérios de sua inspeção, regras básicas de reparo, manutenção preventiva e checklist funcional. Isso tudo com ênfase na prevenção de riscos de acidentes.

Interessante , não é mesmo? Continue seguindo nosso blog e fique por dentro…

Leia também

O valor do inspetor de soldagem

O valor do inspetor de soldagem

Pra começo de conversa, todo mundo chama este profissional de “inspetor de solda”, quando na verdade o tecnicamente...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe!